Geral Geral Política

Desvio de dinheiro público

Próxima parada: o bolso de um político

Escândalo da farra das passagens tem novas e importantes revelações, envolvendo até o atual presidente e o anterior, Michel Temer.

A “farra das passagens aéreas” foi o maior escândalo político desde a redemocratização. Com 560 parlamentares investigados, teve mais alvos do que a Operação Lava Jato e a CPI dos Anões. A diferença é que ninguém foi punido e só uns poucos devolveram o dinheiro.

Mas essa história faz nova escala, agora em livro, com informações inéditas. Nas asas da Mamata (Matrix Editora, 312 páginas, R$ 62,00) reconstitui e atualiza o caso e já no primeiro capítulo mostra o então deputado Bolsonaro e a mulher Michelle viajando em lua de mel nas Cataratas do Iguaçu com passagens pagas pelo Congresso.

Os abusos praticados por parlamentares com verbas de transporte aéreo, desviadas para turismo de parentes e amigos dentro e fora do Brasil e negociadas em um lucrativo mercado paralelo, proporcionou que dezenas de senadores e deputados gastassem verba do erário, mas ninguém foi punido. A obra mostra como o Ministério Público e o Judiciário falharam na apreciação do caso e revela a lista de quem mais voou para o exterior sem tirar um tostão do bolso ou que cedeu bilhetes para parentes e amigos andarem pelo Brasil.

Um dos motivos desse escândalo fazer um pouso forçado, segundo os autores, é que Michel Temer criou as regras e, depois, atuou para abafar as punições, corrigindo apenas o problema para o futuro, sem punir ninguém. Para isso, contou com a ajuda de José Sarney e com a boa vontade Lula, na ocasião envolvidos na formação da chapa Dilma-Temer, vitoriosa no ano seguinte, 2010.

O valor usado para fins particulares ultrapassou os R﹩ 105 milhões – sequer 1% foi devolvido. Na Câmara, foram gastos R﹩ 102 milhões (valores corrigidos pela inflação) apenas entre janeiro 2007 e fevereiro de 2009. No Senado, uma amostra limitada de desvios somou outro R﹩ 1,4 milhão (valores históricos) ou R﹩ 2,9 milhões (valores corrigidos pela inflação). Só uma ínfima parte disso foi recuperada: R﹩ 301 mil (valores históricos) segundo a Câmara e R﹩ 786 mil (valores históricos) segundo levantamento próprio dos autores de “Nas asas da mamata”.

Entre os 560 viajantes políticos que aproveitaram verbas do Congresso para viajar por aí fora do trabalho estão o ex-presidente do Senado, Davi Alcolumbre, e o senador Chico Rodrigues, então vice-líder do governo Bolsonaro flagrado com dinheiro na cueca

Agora é hora de fazer uma viagem mais detalhada nessa história secreta.

Sobre os autores

Eduardo Militão, nascido em 1978, é jornalista em Brasília desde 2000. Repórter do UOL, trabalhou no Correio Braziliense, Congresso em Foco, Piauí, Istoé e The Intercept. Ganhou um prêmio Esso, dois Embratel e dois de associação de procuradores do Ministério Público.

Eumano Silva, nascido em 1964, é jornalista, formado em 1987 na UnB. Chefiou as sucursais de Época e Istoé em Brasília. Escreveu os livros Operação Araguaia (Prêmio Jabuti), A morte do diplomata e O levante dos ribeirinhos .

Lúcio Lambranho, nascido em 1973, foi repórter no Correio Braziliense, no Jornal do Brasil e no Congresso em Foco e editor no Metrópoles, em Brasília. Recebeu os prêmios Vladimir Herzog e Embratel de Jornalismo Investigativo.

Edson Sardinha, nascido em 1978, é diretor de redação do Congresso em Foco. Ganhou duas vezes o Prêmio Vladimir Herzog e uma vez o Embratel. Contribuiu para que o Congresso em Foco levasse o Prêmio Esso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *