Comportamento Cultura Educação Geral Geral Ondas do Bem

Dia Mundial da Infância

Dia Mundial da Infância: Como promover o bem-estar no período da pandemia

Atividades essenciais como o brincar contribuem para um cuidado integral 

Nesse dia 21 de Março é celebrado o Dia Mundial da Infância, data criada pela Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) que tem como objetivo promover uma reflexão sobre a defesa dos direitos das crianças. No mês em que a pandemia da covid-19 completa um ano, atividades essenciais para o desenvolvimento, como o brincar, foram transformadas ou restringidas. Pensando nisso, quais são as questões essenciais e como valorizar e refletir sobre a infância nessa data? 

Segundo dados do documento  Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), na última semana, cerca de 40 milhões de crianças em todo o mundo estão sem acesso a cuidados essenciais, especialmente na primeira infância. Em  54 países de baixa e média renda, cerca de 40% das crianças com idade entre 3 e 5 anos não estão recebendo o estímulo socioemocional necessário para esse período. A falta de acesso, que vai desde a falta de uma alimentação adequada até atividades que estimulem o protagonismo e o desenvolvimento, são fatores que contribuem para esses números. “É necessário um olhar cuidadoso sobre esse período, e que cada vez possamos pensar em soluções para garantir que as crianças tenham prioridade, e que juntos busquemos atividades e ações que promovam o bem estar e a aprendizagem”, reforça Sheila Pomilho, diretora do Marista Escola Social Irmão Justino, que atende crianças e adolescentes gratuitamente na Zona Leste de São Paulo. 

Brincar é uma atividade essencial da infância

As brincadeiras são atividades importantes para o despertar da criança, o fortalecimento das suas escolhas, ações e vínculos. Os amigos, a escola e a convivência social sempre contribuíram para realização dessa atividade. “O caminho processual de cada criança, assim como a interação com os familiares e com a escola, proporciona que as famílias continuem a incentivar o brincar livre como parte fundamental da primeira infância”, reforça Sheila. 

Para a diretora, o incentivo pode estar em materiais, objetivos ou simplesmente o uso da imaginação e do diálogo. “Brincar é criar oportunidades e mediar ações dentro de casa para celebrar e promover integração entre irmãos, crianças e avós, pais e filhos, o importante é incentivar a brincadeira, que fortalece o bem estar emocional”, reforça.

Para celebrar o Dia Mundial da Infância, a especialista dá dicas de atividades que podem ser realizadas em casa e com poucos recursos. 

1.     Imaginar e criar

   As brincadeiras, principalmente na primeira infância, estão relacionadas à imaginação. O ato de criar histórias, compartilhar, fazer perguntas, jogos e mímicas, rendem bons momentos de diversão. “As famílias podem refletir também sobre a infância que tiveram, e compartilhar histórias e experiências com as crianças em casa. Esta é uma forma de valorizar a data e contribuir para o bem estar”, reforça. 

2.    Ao ar livre e com a natureza

Estamos em um período de isolamento social, e alguns espaços não têm a natureza ao alcance, mas esse é um item importante para o desenvolvimento das crianças. Já pensou em usar esse dia para plantar vasinhos com pequenas flores? Regar as plantas que já existem? A interação com a natureza proporciona ainda mais saúde emocional para as crianças. 

3.    Crie novos brinquedos

A brincadeira não está somente associada a jogos eletrônicos ou a brinquedos muito cheios de recursos. Priorize materiais não estruturados e naturais, ao invés de brinquedos prontos. Reutilizar os utensílios domésticos, potes e caixas de papelão, revistas antigas e objetos que seriam descartados. Esses itens podem virar brincadeiras divertidas e cheias de imaginação, pois podem ser construídos pela criança, o envolvimento do adulto contribui com o fortalecimento de vínculos e a segurança no uso dos materiais pelas crianças.

Marista Escolas Sociais: Marista Escolas Sociais atende gratuitamente 7700 crianças, adolescentes e jovens por meio de 20 Escolas Sociais, localizadas em cidades de Santa Catarina, Paraná e São Paulo. Os alunos atendidos nas Escolas Sociais têm acesso a uma educação de qualidade e gratuita que vai desde a educação infantil até o ensino médio, além de projetos educacionais e pedagógicos que acontecem no contraturno. https://maristaescolassociais.org.br/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *