Comportamento Saúde

Saúde Mental e a pandemia

Profissionais da saúde lançam o Guia da Saúde Mental Pós-Pandemia para auxiliar diagnósticos e tratamentos

A pandemia da Covid-19 tem realidades que afetam várias áreas do desenvolvimento humano. A saúde mental é um setor muito observado por especialistas, até antes da pandemia.  O ser humano, com suas complexidades, demonstra fragilidade neste campo. O Brasil, por exemplo, está entre os primeiros países do mundo com mais casos de transtornos depressivos e ansiosos.

O Guia de Saúde Mental Pós-Pandemia no Brasil tem coordenação geral do psiquiatra Luis Augusto Rohde, com realização da Pfizer UpJohn, do INI (Instituto de Ciências Integradas/CCM Group) e apoio institucional do Hospital Oswaldo Cruz Alemão.

O lançamento online foi no dia 30 de outubro, com apresentações dos especialistas que integraram a equipe de pesquisa. Os profissionais destacaram que o Guia tem a finalidade de ampliar conhecimento aos não especialistas em saúde mental, mas que atuam no atendimento básico, bem como a população de forma geral.  O material tem formato didático e pode ser baixado aqui neste link.

Sobre o Guia

A apresentação faz um balanço da pandemia no mundo, com ênfase nas chamadas ondas, considerando a área mental como a quarta.

Ilustração do Guia – página 16

São apresentadas informações sobre como o vírus pode ser agressivo no organismo, com possibilidade de lesões em vários órgãos, entre eles o cérebro.

As crianças e adolescentes mereceram um estudo bem detalhado, diante dos possíveis surtos mentais que podem agravar com o isolamento, com as vulnerabilidades do mundo virtual e ainda com transtornos existentes e que estavam sem diagnósticos.

O adulto trabalhador, com estresse normal e agora com outros agravantes como mais carga de trabalho ou demissão, preocupa os pesquisadores. Neste item, a recomendação é muito objetiva para que a pessoa perceba os sinais antes de entrar em colapso. As atitudes pró-saúde mental incluem rotinas para dormir horas suficientes para o descanso, comer alimentos nutritivos, conversar com amigos e praticar atividades físicas regulares.

As pessoas que já possuem diagnósticos ou estão em tratamento se na pandemia se afastaram dos terapeutas poderão ter mais problemas futuros. É importante manter o tratamento e o acompanhamento terapêutico.

Os profissionais da saúde estão em outro grupo de estudo, porque foram impactados pela Covid de forma drástica. “A pandemia atual afetou a todos e a nossa saúde mental fica em claro risco de desequilíbrio. Nesta situação, o estresse pode funcionar como gatilho mesmo para uma pessoa que nunca teve transtorno mental” (Guia, página 41, capítulo O Aumento da Ansiedade na População).

O trabalho home office trouxe uma nova demanda de atividades que nem sempre foi bem suportada pela pessoa, por isto, desligar o computador ou celular pode ser muito produtivo, nas horas de descanso.

O Guia tem informações para todas as idades e situações, incluindo questionamentos de como serão as emoções pós-pandemia. Confira a composição completa dos coordenadores: Luis Augusto Rohde (coordenador/psiquiatra/desenvolvimento); Antonio Egidio Nardi (coordenador/psiquiatra/ansiedade), Ary Gadelha de Alencar Araripe Neto (coordenador/psiquiatra/esquizofrenia), Carmita Abdo (coordenadora/psiquiatra/sexualidade) e Fábio Gomes de Matos e Souza (coordenador/psiquiatra/depressão).

ETC Redação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *