Dino

Pesquisa aponta que morar perto do trabalho não é mais prioridade

Rio de Janeiro 25/6/2021 –

Pesquisa revela que economia, espaço e tranquilidade ganharam mais relevância

Morar perto do trabalho não está mais no topo da lista na hora de se mudar. Pesquisa do QuintoAndar, plataforma de moradia da América Latina, mostra que ficar mais próximo do trabalho deixou de ser prioridade quando se planeja a mudança, perdendo lugar para fatores como economia, espaço e tranquilidade. O levantamento aponta queda de 42% na importância que uma casa próxima ao trabalho tem para a decisão de para onde se mudar. Já a economia e a tranquilidade ganharam 13% e 7%, respectivamente, em relevância. A pesquisa comparou os motivos que influenciaram a decisão de mudança seis meses atrás com os fatores que hoje mais importam para quem está para trocar de casa. 

Segundo Marcelo Fróes, diretor da Pró Lotes, com a pandemia o trabalho remoto ganhou ainda mais fôlego, antecipando tendências e encurtando a distância com o home office. Durante o isolamento social no Brasil, as pessoas optaram por alugar ou comprar imóveis e trocaram os centros urbanos por cidades menores, com mais qualidade de vida, e acabaram tornando essa moradia alternativa como a principal.. “Esse movimento também foi percebido no segmento de terrenos, pois as famílias passaram a investir na construção de uma casa com quintal, ou seja, com muita área verde. Lembrando que nessas regiões o acesso à internet também é fundamental para o trabalho remoto”, analisa o diretor.

Para Bruno Mendes, gerente Comercial do Holiday, esse mercado está muito aquecido porque as pessoas procuram espaço, lazer e ar puro. “No Holiday Park Land, em Itaboraí, por exemplo, observamos uma alta de 87% na venda de terrenos em 2020. Foram mais de 500 unidades vendidas em quatro meses. E as previsões para este ano são ainda mais positivas”, completa Mendes.

Prova de que este mercado está aquecido é que em abril a Pró Lotes lançou um condomínio de terrenos em Vargem Pequena e já vendeu todas as unidades, tendência que é reforçada por outra pesquisa, desta vez do Secovi Rio (Sindicato da Habitação). De acordo com a entidade, em abril foram negociados 140 terrenos na cidade do Rio. Foi o segundo mês com mais transações no período de janeiro a maio, perdendo apenas para março com 146. O estudo é feito com base no recolhimento do ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis).

Para fechar, o levantamento da plataforma de moradia revela ainda que pessoas com menos de 30 anos apontam espaço como o principal fator para a próxima mudança, enquanto os mais velhos querem economia. Para quem tem mais de 50 anos, a palavra-chave é tranquilidade. A proximidade com o trabalho, além de ter perdido importância nos últimos seis meses para todos os grupos, também é cada vez menos relevante à medida que as pessoas ficam mais velhas.

Website: https://www.prolotes.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *