Dino

Propriedade rural que aplica cuidados no uso da ureia evita a intoxicação gado

São José do Rio Preto – São Paulo 17/6/2021 – Um dos principais desafios dos pecuaristas brasileiros é manter o peso do gado entre maio e outubro, período considerado de estiagem.

Ao seguir instruções básicas, produtores rurais protegem a saúde do animal e ainda garantem os resultados esperados ao fim da safra.

Muitos produtores rurais têm a meta de chegar ao fim da seca com animais bem nutridos e com arrobas suficientes para garantir a venda na entressafra, principalmente aqueles que atuam no sistema a pasto. 

“Um dos principais desafios dos pecuaristas brasileiros é manter o peso do gado entre maio e outubro, período considerado de estiagem. Segundo a Embrapa, 95% da carne produzida no Brasil é a pasto. E sem chuvas, as forrageiras não ficam disponíveis em quantidade e qualidade suficientes. Como resultado, a engorda é interrompida e em casos mais graves, o boi até perde o peso que ganhou na época de chuvas. Resta aos produtores recorrer ao apoio de suplementos”, explica José Carlos Ribeiro, consultor agropecuário da Boi Saúde

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a ureia é um dos suplementos mais utilizados devido ao custo benefício, sendo um dos mais baratos no mercado brasileiro. Quando os pecuaristas a utilizam corretamente, fornecem energia ao rebanho, a partir do capim oferecido, mesmo que seco. Porém, para que o resultado seja positivo, alguns cuidados são necessários. 

Entre os processos, os mais simples previnem a intoxicação e realmente garantem que a ureia proporcione o ganho de peso esperado. Essas ações cabem na rotina de uma propriedade rural, desde as consideradas de pequeno porte, até as grandes fazendas. Para isso, os produtores precisam elaborar as atividades da lida de forma bem organizada, independentemente da época do ano. 

 Os 7 cuidados para uso da ureia para gado 

Ao implementar cuidados simples, a propriedade evita problemas e tende a obter melhores resultados com o uso da ureia. A seguir, José Carlos Ribeiro, especialista em Agronegócio pela USP/Esalq, compartilha algumas orientações a partir da recomendação de órgãos como a Embrapa: 

1 – O produtor deve ficar atento à dosagem. Caso o profissional prefira oferecer a ureia com sal mineral, a proporção indicada é 30% de ureia, 3% de sulfato de amônia e 67% de sal mineral. Muitas propriedades preferem o sal proteinado na seca, quando a falta de proteínas é maior. Então, a proporção adequada é 12% de ureia na dosagem de 1 grama proteinado por peso vivo de cada animal ao dia; 

2 – Não é indicado que a propriedade ofereça ureia para animais famintos. Quando voltam da lida e consomem diretamente a ureia, o risco de ingestão de quantidade acima do recomendado por dia é maior. Uma sugestão é oferecer a ração nesse momento e deixar a ureia para o período da tarde. 

3 – É comum as propriedades oferecerem ração e os sais mineral e proteinado diretamente no cocho. Porém, o recomendado é que seja oferecida gradualmente, através de uma adaptação, até chegar na dosagem máxima, de 49 gramas por dia. No primeiro mês de oferecimento, divida a quantidade em quatro semanas, nos primeiros sete dias, ofereça dois sacos de sal mineral e um saco de sal mineral com ureia. Nas duas semanas seguintes (segunda e terceira), dois sacos de sal mineral com ureia e um apenas com o sal. E na quarta semana, a última desta fase de adaptação, já é possível servir o sal mineral com a ureia. 

4 – Cobertura do cocho. A propriedade que utiliza ureia realmente precisa de um cocho coberto e com proteção lateral. Dessa forma, o acúmulo de água com o suplemento, responsável pela intoxicação, tem chances mínimas de acontecer. A cobertura só é dispensada com o uso de uma única ureia que pode ser molhada no cocho, nova tecnologia já disponível no Brasil. 

5 –  Bovinos com salivação excessiva, e tremores musculares, apresentam sinais de início de intoxicação por ureia. Quando não tratados nessa fase, o quadro pode evoluir para convulsões, fase com difíceis chances de recuperação. Atente-se sempre aos primeiros sintomas na tentativa de salvar os animais. 

Manter os cuidados com o rebanho diariamente do ano garante que a pecuária tenha o lucro esperado. Ração de boa qualidade, suplementos nas águas e na seca, calendário sanitário e bem-estar animal fazem parte da rotina de uma propriedade rural de sucesso.

Website: https://boisaude.com.br/totalureiapremium.html

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *